sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Posted by Joel Rodrigues |

Escolher esperar é uma atitude diária. São decisões que você precisa tomar todos os dias. Lembre-se que a vida é feita de escolhas, ou seja, todos os dias.
Mas eu te pergunto: pelo o quê você espera?
Muitos talvez pensem, eu espero por uma pessoa, espero por um príncipe (ou princesa). Espero para ter um relacionamento, espero para namorar, me casar.
Eu tenho uma notícia para você:
Não devemos esperar em uma pessoa, ou por uma pessoa, porque dessa maneira, acabamos nos frustrando.
Sabe pelo o que você deve esperar? Melhor, sabe em que pessoa que você deve esperar?
Espere na Pessoa de Cristo.
Espere pelo tempo de Deus! Não espere simplesmente para ter um relacionamento, mas mais do que isso, espere para ter um relacionamento que venha de Deus, e que seja para a Sua honra e glória.
É por isso que aquele versículo diz:
“… Mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam.” Isaías 40.31
Os que esperam no Senhor! Em quem você tem colocado a sua confiança? Em quem você tem esperado?
A vida é feita de escolhas, quais são as suas?
Por: Pati Gêiser
Via: Eu escolhi esperar / Nova Geração

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Posted by Joel Rodrigues |
   
Recentemente fiquei sabendo que alguém num blog decidiu “refutar” um artigo bem velho nosso sobre o beijo. Então fui lá para ver os argumentos. Se eu disser que achei legal, será mentira. Na verdade eu senti uma indignação justa. Como que alguém que se chama de “filho de Deus” iria querer defender algo que obviamente não se encaixa dentro do que nós chamamos de Santidade ao Senhor? Será que ele está tão enganado? Ou talvez esteja tentando justificar algo que está ou estava praticando na vida dele. Seja o que for eu senti uma ira pensando em tantos jovens que podiam ser influenciados por uma besteira dessas. Ou quem sabe outros jovens que só precisavam de alguém para ajudar eles ignorarem os toques do Espírito Santo dizendo que não está certo e liberar tudo de uma vez por todas. De qualquer jeito, eu vou fazer questão de responder os argumentos dele aqui e defender o lado do Senhor e de um povo separado.

Aqui embaixo está a “refutação” dele inteira. Depois eu vou comentar.

Li um artigo com o seguinte nome: Mais sexo: o beijo (http://www.geracaobenjamim.com/modules/smartsection/item.php?itemid=38). 

Para entendermos melhor o que o autor quis ensinar, podemos sistematizar em uma sequência de lógica que seria assim:

O beijo é um ato sexual.
O ato sexual só deve ser feito no casamento.
Logo, o beijo é pecado.

Haja vista que eu montei essa sequência de lógica segundo as respostas das perguntas que o próprio autor elaborou.

Em olhar para essa sequência de lógica vemos que ela é “bem elaborada”, todavia, se rompermos a sua premissa A o restante da lógica se torna uma falácia, ou seja, se mostrarmos que o beijo não é um ato sexual o restante do argumento cai por terra.

A articulação do autor em seu artigo para relatar que o beijo é ato sexual é argumentar que foi através do beijo que o sexo é consumado e uma vez que o sexo é consumado aparece a gravidez na adolescência, as doenças venéreas e estupro no namoro. Porque o beijo acende o fogo e leva a sensualidade.

Contudo, eu leio isso e fico meditando. Se o beijo é um ato sexual porque ele “pode” me levar ao sexo, eu devo também considerar que um abraço com a namorada é um ato sexual porque ele também ativa os nossos hormônios (especialmente os homens), que nos leva ao beijo que nos “levaria” ao sexo. Ou então eu devo considerar que se eu ficar conversando com a minha namorada é um ato sexual, pois no momento em que eu converso como ser – humano (e homem) com a minha bela namorada eu tenho vontade de beijá-la que depois me “levará” para o sexo.

Outra coisa que podemos imaginar é um seguinte. Se a menina ficou grávida na adolescência, ou estuprada pelo namorado, ou houve doenças venéreas foi simplesmente pelo ato sexual genital que eles cometeram, e isso sim é conseqüência da falta do domínio próprio que eles tiveram. Com isso não podemos fazer uma comparação de causa e efeito com o beijo e essas consequências que foram feita pelo sexo genital. Mas como eles começaram o sexo genital? Não foi pelo beijo? Claro que sim! Mas como eles começaram o beijo? Por qualquer motivo que eles começaram nós devemos que “culpar” esse motivo pelas doenças venéreas, pela gravidez e pelo estupro no namoro, seja pelo abraço, ou pela conversa ou pelas trocas de olhares. Repito, todas essas consequências foram trazidas pela falta de domínio próprio. Por exemplo, Davi teve um ato sexual com Bete-Seba, pois ele deitou com ela e não porque olhou (apesar de ter pecado também, pois olhou premeditando no ato).

Podemos deixar notório também que o beijo não pode ser considerado ato sexual do ponto vista bíblico, pois em nenhuma parte da bíblia isso é exposto ou ensinado, são somente opiniões humanas. Tenta me mostrar na bíblia tal doutrina, mas, por favor, não force o texto e tenha princípios interpretativos.

Salienta-se também que do ponto de vista científico o beijo não é um ato sexual. Não me venha com o argumento em que a ciências também não aprova a criação, mas, sim, a evolução, pois esse argumento não cola. Porque quando a ciência diz isso ela vai contra a bíblia, mas em relação ao beijo ela não vai contra a nada.

Pense nisso: se o beijo é um ato sexual porque leva ao sexo, então ele deixa de ser ato sexual…

Como vimos às afirmações feitas pelo o autor, em declarar que o beijo é um ato sexual são falaciosas, tornando o resto da sua linha de pensamento falacioso. Mas é bom notar também que os textos bíblicos que ele usou não têm nada haver com a questão do beijo.

Concluindo, eu relato que seria mais inteligente e correto fazer a colocação que deve se evitar o beijo como uma atitude prudente, para não cair no pecado. Mas simplesmente como uma atitude prudente, e não condená-lo como pecado e muito menos como ato sexual, pois isso deixa de ser uma exigência de vida em santidade e se torna um radicalismo segundo pensamentos de homens (Mt 23.4).

Fonte: fabioecarolguimaraes.wordpress.com

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Posted by Joel Rodrigues | File under :
Esse post é da Quiane, artesã de Campinas/SP:
"Há duas semanas vem meninos e meninas na minha barraca na feira atrás dessas pulseiras, é uma moda em Londres e veio pra cá e se espalhou rapidamente na minha cidade.
Eu não vendo esse tipo de produto pois só vendo produtos feito a mão, como é estranho essas coisas, todos tem a mesma atitude, como se não pensassem, são crianças que se vestem igual, sem atitude, sem questionar o que serve ou não serve.
Descobri agora que essas pulseiras são usadas para a prática do sexo.
Cada cor representa um tipo de coisa, leia abaixo o que achei na internet:"À primeira vista, uma colorida pulseira de plástico nos pulsos de crianças parece inocente.

sábado, 24 de setembro de 2011

Posted by Joel Rodrigues | File under :



“Como pode um jovem conservar pura a sua vida?

É só observar aos teus mandamentos.” Sl 119.9

O texto que pego como base para essa mensagem é bastante simples, mas um texto rico que diante do questionamento do salmista e diante da sua afirmação que observando a Palavra do Senhor o jovem purifica o seu caminho me pego vislumbrando o caminho de um jovem nessa sociedade.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Posted by Joel Rodrigues |
 No curso natural do homem o normal é nascer pra viver, para desfrutar a vida, e em todo caso para alcançar depois a vida eterna. Mas ouvi uma exceção e Jesus foi essa exceção única em todo o universo.

Vamos parar e refletir! Que idéia estranha e contraditória dentro da lógica humana e como já disse o normal ou o natural é nascer para viver, então quem nasceria para morrer, lógico nascemos e sabemos que um dia nos encontraremos com a morte, mas como alguém nasceria sabendo que sua vida já estava destinada a morte, é estranho para qualquer ser humano. E quem imaginaria que um Ser Rei sobre todo o universo, rodeado de glória e majestade deixaria o seu trono a sua posição para nascer e morrer. Para a lógica humana se torna menos compreensível ainda.

Mas esse propósito foi tão transcendente e comovedor na vida de Cristo que os quatro evangelhos dedicam mais de um terço de suas páginas para descrever a paixão, a morte e a ressurreição do Senhor. Jesus não teve um interesse maior ou uma motivação mais profunda. Afinal, para isso Ele veio ao mundo. E para o cumprimento de tal finalidade concentrou todo seu amor, pensando sempre na redenção da família humana. Ele mesmo declarou que “Não veio para ser servido, mas para ser servir, e dar sua vida em resgate de muitos” (Mc 10:45) Ele veio e serviu a sua vida ou seja entregou sua própria vida para resgatar as ovelhas extraviadas.

A maldade devia ser vencida, e a morte derrotada. Um só Ser poderia realizar essa tarefa suprema: Jesus, o Deus encarnado, o messias prometido, que, “Subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes a Si mesmo Se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-Se semelhança de homens; e [...] a Se mesmo Se humilhou, tornando-Se obediente até a morte e morte de cruz” (Fp 2:6-8). Que Deus te abençoe. 

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Posted by Joel Rodrigues |
   
Hoje se fala muito da perda de valores morais e valores éticos, devido a maneira permissiva que nossa sociedade vivi, rejeitando valores éticos e valores morais no seu meio. Hoje as pessoas estão deixando valores absolutos que outrora eram guardados por todos que tinham temor de Deus em suas vidas.

No entanto o que nos espanta é os pseudo-s cristãos que diante de tanta permissividade tem rejeitado esses valores éticos e morais e se apegando as fabulas e filosofias mundanas. Se amarram aos pecados com mentiras! E dizem: “Que Deus se apresse e faça logo o que vai fazer para que nós fiquemos sabendo o que é. Realize depressa os seus planos para que nós possamos conhecê-los. E fazem luz virar escuridão e a escuridão virar luz” (Is 5.18-20). Colocando Deus contra a parede, mas ai daqueles que contender contra o Criador (Is 45.9). Um caco de barro não pode se virar contra o Criador e dizer que Ele não sabe trabalhar, Ele é soberano e ninguém pode escapar de suas mãos (Is 43.13).

Muitos são os que têm se iludidos e enganado com esse desvio de valores, pois se acham fracos espiritualmente por falta de preceitos bíblicos em suas vidas e assim vivem sem nenhum alicerce em sua vida e assim tendencioso a cair no engano.

Os meios televisivos têm influenciado muitos cristãos em suas casas que se tornaram reféns desses que se aproveita de uma determinada fraqueza para alcançar seus objetivos e se apoderam do medo e do engano para ludibriar.

Hoje estamos rodeados por uma nuvem de demônios que trabalham em prol desses apostatas da fé que obedecem aos ensinos demoníacos (I Tm 4.1). A bíblia nos afirma que temos que deixar todo o embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia (Hb 12.1) e nos aconselha a olharmos para JESUS, autor e consumador da nossa fé. Que Deus te abençoe 

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Posted by Joel Rodrigues | File under :
  
Jonatas tinha um filho, Mefibosete “Destruidor da vergonha”, filho este que era cuidado com todo o zelo da época, pelas babás do reino de seu avô Saul, amas de leite e outras. Pode-se até, ver pelos olhos da fé, usando a fertilidade da imaginação que deveria o neto do rei Saul, Mefibosete, passear pelos espaços reais apropriados para este fim nos átrios do palácio real, ora, não poderia ser diferente, neto de Rei Saul, rei poderoso que tinha todo respaldo humano da época e filho do Príncipe Jonatas, ah! Era herdeiro direto e por direito do trono que Davi ocupava naquele momento, o último da dinastia do velho avô, uma pessoa assim, nunca conheceu a amargura, a tristeza, as dificuldades e vicissitudes da vida.

Porém note a armadilha que a vida preparou para Mefibosete privando-o do uso de seus bens.

Quando da idade de cinco anos em uma perseguição que o reino de seu avô sofreu, foi jogado no chão violentamente, bruscamente por sua babá, sua ama, que queria fugir da morte, pois, se cumpriam as profecias que o reino de desfaria em função dos pecados cometidos pelo rei e pelo povo, e quando ela se viu perseguida dentro do reino onde vivia e trabalhava, apavorou-se e jogou o menino no chão para poder safar-se melhor e mais rápido, da perseguição feita por povos bárbaros que queriam destruir a qualquer custo o reino de Saul. Mefibosete caiu e lá ficou a mercê da própria sorte.

Mefibosete na queda quebrou os dois pés assim relata a Palavra do Senhor, (II Sm 9:3). Naquela época, todos os homens que possuíssem qualquer deficiência física, não poderiam estar junto à sociedade, existia uma mui grande acepção de pessoas em função da deficiência física.

Aquele menino que um dia seria o rei de Israel agora está com suas pernas aleijada, quanta tristeza para uma criança tão jovem. Mefibosete então é levado para Lo-Debar. Lo-Debar significa: Lo “não” Debar “sem palavras, silêncio”, outro significado para Lo-Debar “sem pasto”. Lo-Debar é lugar seco nada se planta, nada se colhe, lugar de solidão, lugar de tristeza, terra de esquecimento, aquele menino que um dia seria o rei de Israel. Agora está em Lo-Debar, sem poder falar, em silêncio, Mefibosete está no esquecimento, largado, esquecido.

E Davi continua o seu reinado, prosperando Deus abençoando e tempos depois Davi se lembra da aliança que ele tinha feito com Jonatas, e manda chamar Ziba servo de Saul e pergunta, há alguém da casa de Saul e Jonatas para que eu abençoe então Ziba diz: Davi não resta ninguém a não ser um aleijado um coitado. Davi então diz traga ele aqui, e Ziba fala a Davi deixa ele lá é um coitado o que ele pode fazer por ti. Davi então manda trazer Mefibosete, e Mefibosete se apresenta ao rei Davi, com sua estima baixa, se chamando de cão morto, Davi então diz: Mefibosete o tempo do silêncio na tua vida acabou, o tempo de solidão acabou. O tempo de tristeza acabou. Você vai comer na minha mesa, o que eu comer você vai comer também, e ziba passa e não entende como pode uma pessoa aleijada desprezada comendo na mesa do rei, é assim que Deus faz, Deus pega o homem rejeitado pela sociedade todo defeituoso, e diz deixa comigo e vou arrumar, vou concertar e pega e faz dele uma nova criatura, Davi então ver Mefibosete todo alegre, e diz Mefibosete se você está alegre em esta comendo comigo, coisas maiores eu tenho para ti, tudo que era de seu avô e de seu pai, eu vou te restituir todas as terras será sua, e tenho mais você é quem vai comandar os meus servos, Mefibosete sai do esquecimento, para uma vida nova.

Não foi diferente com as nossas vidas, tínhamos os pés quebrados e morávamos em Lo-Debar, e Ziba (o inimigo de nossas almas), não queria a qualquer custo que saíssemos de Lo-Debar para gozar uma vida abundante e vida de paz e próspera na presença do nosso Rei nosso DEUS, pai de nosso Senhor e Salvador, JESUS CRISTO. E o que fez DEUS, chamou o seu filho, príncipe dos céus e disse: Vá depressa, tome resgate por meio de sangue vertido no calvário no monte Caveira (Golgota) os meus filhos (benfeitorias de suas mãos) que estão em Lo-Debar, terra sequíssima.

E vindo o nosso Senhor JESUS CRISTO, fez-se homem, habitou entre nós (Jo 1:14), cresceu entre nós, colocou-se a disposição do calvário por nós, pagou com sangue os nossos pecados no madeiro de horror, foi pregado, transpassado e morreu, más ao terceiro dia ressuscitou dos mortos, e ascendeu aos céus, e foi-nos preparar lugar nas mansões celestiais, para que onde Ele estiver, estejamos nós também.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Posted by Joel Rodrigues |



Somente da nossa vontade dependerá o nosso estado íntimo. Portanto, criar céus ou infernos portas à dentro da nossa alma, é algo que ninguém poderá fazer por nós.Conta-se que um dia um samurai, grande e forte, conhecido pela sua índole violenta, foi procurar um sábio monge em busca de respostas para suas dúvidas.
 

- Monge, disse o samurai com desejo sincero de aprender, ensina-me sobre o céu e o inferno.
 

O monge, de pequena estatura e muito franzino, olhou para o bravo guerreiro e, simulando desprezo, lhe disse:
 

- Eu não poderia ensinar-lhe coisa alguma, você está imundo. Seu mau cheiro é insuportável.
 

- Ademais, a lâmina da sua espada está enferrujada. Você é uma vergonha para a sua classe.
 

O samurai ficou enfurecido. O sangue lhe subiu ao rosto e ele não conseguiu dizer nenhuma palavra, tamanha era sua raiva. Empunhou a espada, ergueu-a sobre a cabeça e se preparou para decapitar o monge.

- “Aí começa o inferno”, disse-lhe o sábio mansamente.

O samurai ficou imóvel. A sabedoria daquele pequeno homem o impressionara. Afinal, arriscou a própria vida para lhe ensinar sobre o inferno. O bravo guerreiro abaixou lentamente a espada e agradeceu ao monge pelo valioso ensinamento.

O velho sábio continuou em silêncio. Passado algum tempo o samurai, já com a intimidade pacificada, pediu humildemente ao monge que lhe perdoasse o gesto infeliz.

Percebendo que seu pedido era sincero, o monge lhe falou:

- “Aí começa o céu”.

Para nós, resta à importante lição sobre o céu e o inferno que podemos construir na própria intimidade. Tanto o céu quanto o inferno, são estados de alma que nós próprios elegemos no nosso dia-a-dia.

A cada instante somos convidados a tomar decisões que definirão o início do céu ou o começo do inferno. É como se todos fôssemos portadores de uma caixa invisível, onde houvesse ferramentas e materiais de primeiros socorros. Diante de uma situação inesperada, podemos abri-la e lançar mão de qualquer objeto do seu interior. Assim, quando alguém nos ofende, podemos erguer o martelo da ira ou usar o bálsamo da tolerância.

Visitados pela calúnia, podemos usar o machado do revide ou a gaze da autoconfiança.

Quando a injúria bater em nossa porta podemos usar o aguilhão da vingança ou o óleo do perdão.

Diante da enfermidade inesperada, podemos lançar mão do ácido dissolvente da revolta ou empunhar o escudo da confiança.

Ante a partida de um ente caro, nos braços da morte inevitável, podemos optar pelo punhal do desespero ou pela chave da resignação.

Enfim, surpreendidos pelas mais diversas e infelizes situações, poderemos sempre optar por abrir abismos de incompreensão ou estender a ponte do diálogo que nos possibilite uma solução feliz.

A decisão depende sempre de nós mesmos.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Posted by Joel Rodrigues | File under :
“E vendiam suas propriedades e fazendas e repartiam com todos, segundo suas necessidades” (At 2.45)

Quando vemos a história da igreja primitiva temos um padrão de igreja que conserva os valores espirituais e sociais e que um verdadeiro cristão deve ter dentro de uma instituição (igreja) atuante e sempre que vejo alguns sermões acerca da igreja primitiva e dos primórdios sempre ouço relatarem que deve ser um padrão a ser seguido! Concordo, mas como um estudante curioso que sou me pergunto: se a igreja primitiva deve ser um exemplo para a igreja atual, então por que não são repartidas aos pobres as nossas riquezas? Conforme a igreja primitiva assim o vazia.

A bíblia diz: a fé sem obras é morta (Tg 2.17) e uma das grandes preocupações do ministério terreno de Jesus era os pobres e necessitados e Ele ensinou assim ( Lc 14.12,14 ) e por causa disso seremos recompensados e a igreja primitiva vez um excelente trabalho social ( At 2.42; 4.32 ), erradicando a necessidade de entre seus membros ( At 4.34,35), as obras são evidências de uma fé viva em Deus.

Mas a preocupação capitalista da nossa sociedade tem nos levado a um desnível social iníquo e perverso, apesar da década globalizada do mundo em que vivemos e isso não pode ficar a quem da igreja de Cristo. De um lado estão os pobres e marginalizados; de outro, os ricos e poderosos na igreja de cristo não existe essa distinção todos são necessitados de salvação. No entanto os que desprezam os preceitos bíblicos buscam lucrar com a miséria de seus semelhantes, Deus abomina a injustiça social.

Como cristãos temos que pregar a Palavra como Jesus nos comissionou, mas não podemos nos esquecer das causas sociais e dos que necessitam de ajuda, temos grandes flagelos na nossa nação a fome e a miséria tem se alastrado e como luz, temos que exercer nossa tarefa de verdadeiro cristão. Deus te abençoe.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Posted by Joel Rodrigues | File under :
No cotidiano que as pessoas vivem nos dias de hoje, vivem de maneira superficial talvez pela maneira moderna da nossa sociedade.

Acordam de manhã cedo para ir trabalhar, toma o café da manhã de maneira tão rápida que as vezes ou em outros casos não desfruta desses momentos com a família.

Nessa correria do dia a dia não reserva um tempo pra suprir a necessidade de carinho da família e dos filhos e manter um elo fraternal e harmônico dentro do seu lar.

Vejo que dessa maneira o homem tem cultivado magoas em seu convívio familiar e por esse fato acaba levando amargura na sua vida e no seu convívio com as pessoas. Temos visto pessoas amarguradas no seu viver, pessoas que chegam até mesmo planejar o seu próprio assassinato como vimos em noticias em jornais. A raiz de amargura tem se alastrado na sociedade e pessoas vivem amarguradas como já disse, mesmo tento uma vida de conforto e uma posição elevada na sociedade.

Hoje pessoas choram porque seus lares estão destruídos, vivem debaixo do mesmo teto e todos parecem ser estranhos, não existe harmonia e muito menos paz. No coração existem tantas magoas que por ele próprio "Homem" não tem como esvair. Sentimentos são duros de serem esquecidos num celebre livro chamado “Mais puro que o diamante” de J.C de Ferrieres o autor fala que nosso sentimento é tão frágil e as pessoas desconhecem essa verdade.

Mas todos que crer em Jesus há uma promessa revelada “Deus limpará dos nossos olhos toda lágrima” Ap 21.4. Às vezes é difícil conviver e até mesmo tirar essas amarguras, mas em Jesus temos a certeza que ele limpará toda dor. Que Deus te abençoe.